Populismo e organização do espaço urbano

Autores

  • Ralfo Edmundo da Silva Matos Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Populismo, Dinâmica Urbana, Lideranças Carismáticas

Resumo

Esse trabalho procura estabelecer algumas conexões entre o fenômeno do populismo, a dinâmica urbana e o planejamento de cidades. Explora várias das características dos governos populistas do Brasil dos anos de 1950 e 1960 e aponta as lógicas que vinculam as ações político-eleitorais do executivo – em termos de investimentos públicos em serviços e infraestrutura urbana – às necessidades das populações que continuamente se instalavam nas grandes cidades. A interrupção dessas práticas no período dos governos militares é particularmente examinada e confrontada com o incremento do chamado planejamento tecnocrático. Ao fim e ao cabo dessas experiências discute-se a hipótese de ressurgência de novas formas de populismos na atualidade e as perspectivas de sua consolidação em ambientes urbanos nos quais a pobreza e exclusão assumiram contornos socioespaciais desconhecidos na era de ouro do populismo.

PDF - Clique aqui para acessar o Ensaio

Biografia do Autor

Ralfo Edmundo da Silva Matos, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Titular do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências da UFMG. Doutor em demografia e mestre em economia urbana e regional (Cedeplar/UFMG). Possui experiência em áreas da geografia humana, demografia e estudos urbanos e regionais, especialmente nas temáticas relacionadas à migração interna e internacional, distribuição e redistribuição da população no Brasil e no Mundo, produção e análise de indicadores de pobreza e de desigualdade socioespacial, interpretações geográficas e econômicas sobre desenvolvimento territorial, planejamento urbano e regional, geografia histórica, cultural e política.

Downloads

Publicado

2020-12-12

Como Citar

MATOS, R. E. da S. Populismo e organização do espaço urbano . Recital - Revista de Educação, Ciência e Tecnologia de Almenara/MG, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 139–151, 2020. Disponível em: https://recital.almenara.ifnmg.edu.br/index.php/recital/article/view/149. Acesso em: 9 mar. 2021.